Boas práticas no gerenciamento de risco para condutores

Imagem de destaque

As boas práticas no gerenciamento de risco são fundamentais para garantir a segurança dos condutores e, consequentemente, do caminhão e das cargas.

Saiba quais são os elementos que devem estar no planejamento logístico de transporte de cargas para garantir as boas práticas de condutores e conte com o trabalho da BRK Tecnologia, especialista em tecnologia para gerenciamento de risco.

A importância de um gerenciamento de risco em transporte de cargas

O gerenciamento de risco é fundamental para prover as orientações e ações que são necessárias ao lidar com possíveis problemas ou ameaças.

Ou seja, o gerenciamento de risco preza pela atuação de ações de controle logístico e monitoramento, identificando quais são as melhores práticas, o grau dos riscos envolvidos no transporte de cargas e como proteger os condutores de situações inesperadas.

Uma das boas práticas para condutores, orientada pelo gerenciamento de risco, é a direção defensiva.

O que é direção defensiva?

A direção defensiva é uma metodologia criada para orientar os condutores a agirem de maneira calculada, adotando procedimentos que tornem a viagem mais segura para si e para outros motoristas.

Ou seja, a direção defensiva, como o próprio nome sugere, diz respeito ao que o condutor pode fazer para antecipar possíveis riscos e agir com mais prudência, tendo uma postura mais minuciosa com relação à maneira como dirige.

A direção defensiva ajuda o condutor a mitigar alguns dos riscos existentes no transporte de cargas.

Orientações gerais do gerenciamento de risco para condutores

Respeitar as rotas estabelecidas

Empresas que praticam o gerenciamento de riscos fazem o planejamento logístico das rotas com base em estratégias que visem a segurança de condutores e cargas.

Por isso, ainda que pareça uma boa ideia pegar uma rota alternativa que seja mais curta ou tranquila, é fundamental seguir o que foi estipulado pelo planejamento.

Ser prudente no trânsito

Paciência no trânsito é um assunto muito discutido por quem é especialista em segurança.

Muitas vezes, os condutores são bastante intolerantes enquanto dirigem, sendo que a prudência é um dos pilares para a segurança de todos os motoristas que estão na estrada. Dobrar a atenção ao realizar o transporte durante a noite

Não há problema em dirigir à noite, contanto que as boas práticas sejam respeitadas, o que inclui: estar devidamente descansado, seguir as orientações do gerenciamento de risco e entrar em contato com a empresa quanto antes em caso de problemas.

Evitar ao máximo fazer paradas não planejadas

As paradas não planejadas colocam o condutor em risco e aumentam as possibilidades de roubos ou assaltos de cargas.

Realizar a manutenção preventiva

A manutenção preventiva é outra ação planejada pelo gerenciamento de risco que deve ser levada a sério por toda a equipe, inclusive o condutor, que, por sua vez, precisa encaminhar o veículo consoante as datas estipuladas.

No caso, a manutenção preventiva é outro pilar da segurança do condutor e da carga, evitando dor de cabeça com problemas mecânicos que podem colocar o motorista em situações de risco na estrada.

Gerenciamento de risco para condutores: conte com o trabalho de quem é profissional no assunto

O gerenciamento de risco é fundamental para a segurança de condutores e de cargas. A BRK sabe disso e desenvolve um trabalho contínuo de planejamento logístico para mitigar riscos envolvendo acidentes, roubos e furtos.

Entre as tecnologias desenvolvidas para garantir mais segurança aos condutores, estão o monitoramento 24h, o planejamento de rotas e paradas, a utilização de ferramentas, Gestão Logística e Gerenciamento de Risco, por exemplo, além de comunicação direta com o motorista em caso de problemas.

A Prevenção de Acidentes é outra ferramenta que merece destaque, uma vez que atua diretamente na promoção de boas práticas de condução avaliando o comportamento dos motoristas a partir de dados (como velocidade e tempo de condução), sem a necessidade de instalar equipamentos adicionais.