Lei do Motorista: tecnologia ajuda a evitar multas e facilita o cumprimento da legislação

Pessoa cumpre normas da Lei do Motorista

A pressão do mercado por entregas cada vez mais rápidas tem levado empresas e caminhoneiros a negligenciarem a Lei 13.103/2015 — conhecida como Lei do Motorista, que estabelece regras para a jornada desses profissionais.

Principais causas de acidentes

Um estudo da Confederação Nacional de Transportes (CNT) sobre acidentes rodoviários envolvendo caminhões mostra que o cansaço e o sono estão entre as principais causas de sinistros, além da falta de atenção, excesso de confiança e pouco cuidado com a saúde dos motoristas.

O alto índice de acidentes nas estradas coloca em xeque a performance logística nacional e a eficiência do setor de transporte rodoviário de cargas.

Recentemente, uma ação da Polícia Rodoviária Federal flagrou, em menos de 24 horas, cerca de 600 caminhoneiros profissionais que descumpriam as regras de descanso entre jornadas e o tempo máximo de direção contínua estabelecidos em lei.

Nesse ritmo, em um ano, mais de 180 mil multas devem ser aplicadas por excesso de jornada dos caminhoneiros brasileiros. E sua empresa, como prepara, treina, orienta e acompanha a jornada dos motoristas?

Se você dá pouca atenção ao tema, entenda melhor os riscos que a negligência pode causar às suas operações de transporte e reveja a estratégia. É sobre isso que falaremos neste artigo. Boa leitura!

Profissão: caminhoneiro relacionado com a Lei do Motorista

O Brasil tem mais de dois milhões de caminhoneiros profissionais, segundo a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (ABCAM). A maioria deles, aponta a CNT, está há 18,8 anos na atividade, rodando cerca de 9,5 mil quilômetros por mês e trabalhando 8 horas por dia, seis dias por semana.

Trabalhar em um horário flexível e conhecer novas pessoas são algumas vantagens apontadas por quem vive na boleia do caminhão, mas o desconforto, a má qualidade do sono, a alimentação inadequada e a quantidade de horas dirigindo sozinhos estão na lista dos fatores que mais preocupam.

Tempo de descanso

Um único bocejo pode ser a causa de acidentes. De acordo com estudos do Securité Routiére — órgão francês de segurança rodoviária — um em cada três sinistros fatais nas rodovias está associado à sonolência.

Mesmo assim, mais de 40% dos caminhoneiros continuam na direção quando se sentem cansados e 28% alegam ter menos de seis horas de sono. A pesquisa mostra ainda que, após duas horas de direção contínua, há uma queda no nível de atenção e nos reflexos, o que exige atenção redobrada.

A Lei 13.103/2015 define a jornada máxima diária e os intervalos para almoço e descanso no Brasil. Ainda assim, há quem abuse das jornadas exaustivas. Em 2021, levantamentos do SOS Estradas revelaram dados preocupantes: cerca de 50% dos acidentes com caminhoneiros ocorreram sem o envolvimento de outro veículo e 20% dos acidentes aconteceram com motoristas cansados, causando 30% das mortes.

Na tentativa de sensibilizar o setor de transporte e reverter as estatísticas, o SOS Estradas lançou a campanha Cansaço Mata em parceria com outras entidades do setor.

Dicas para uma direção segura através da Lei do Motorista

Entre as dicas da campanha Cansaço Mata estão:

  • Nunca viaje cansado;
  • Na véspera da viagem procure dormir pelo menos 8 horas;
  • Evite dirigir mais do que 8h por dia;
  • Planeje a viagem para evitar dirigir a noite;
  • Descanse pelo menos 15 minutos a cada duas horas de direção;
  • Nas viagens prefira sempre alimentos leves;
  • Evite viajar sozinho;
  • Se possível, reveze com outro motorista a condução do veículo;
  • Pare sempre que sentir cansaço e durma sempre que puder;
  • Não beba álcool, nem use drogas ou medicamentos que afetem os sentidos.

Acidentes nas estradas: como a tecnologia pode ajudar na prevenção

Em 2020, mais de 17 mil sinistros de trânsito envolveram caminhões. A falta de manutenção da frota é uma das causas. Pneus em péssimo estado, freios precários, excesso de peso, suspensão adulterada, etc, tirariam, temporariamente, 25% da frota de pesados do Brasil.

A má qualidade das rodovias também contribui para os acidentes, mas o fator humano ainda é um dos aspectos mais determinantes. O trabalho dos caminhoneiros é considerado pela CNT um dos mais exigentes em relação às necessidades de boas condições físicas e mentais. Isso porque jornadas excessivas fazem com que os profissionais invertam o ciclo de sono e tenham déficits físicos, cognitivos e psíquicos.

A capacitação dos profissionais e o cumprimento da jornada de trabalho atendem tanto aos interesses e à segurança dos motoristas quando à produtividade e eficiência das empresas. Para auxiliar nessa demanda, reduzir o número de acidentes e evitar multas por descumprimento à Lei 13.103/2015, a saída está no uso de tecnologia.

Operações controladas, menos multas e mais segurança pela Lei do Motorista

Seja para monitorar como os motoristas conduzem os caminhões, para treinar e orientar sobre direção defensiva e para sensibilizar a respeito da necessidade de cumprimento à legislação, as empresas precisam adotar uma postura proativa.

Só assim será possível reduzir os índices de acidentes nas estradas, combater a concorrência desleal e elevar a segurança no setor de transporte de cargas.

O sistema integrado de Prevenção de Acidentes foi desenvolvido pela BRK para auxiliar no controle de velocidade e na gestão de processos, além de fazer o controle do tempo de condução, entre outras vantagens.

Quer saber mais sobre a solução que atua na preservação de vidas, aumenta a segurança de colaboradores e clientes a partir de ambientes controlados e reduz as penalidades por processos, multas e outras implicações legais decorrentes de acidentes?

Fale com um especialista da BRK e boa viagem!

Se você gostou deste artigo e está preocupado com a segurança em suas operações logísticas, leia também: Acidentes nas rodovias: como usar a tecnologia para aumentar a segurança no transporte de cargas.